quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Agradecimentos



O ano está terminando e podemos levar como experiênciavárias coisas como o curso Normal Médio que foi de grande importância em nossas vidas, pois foi aí que nos capacitamos para obtermos um melhor desenvolvimento profissional.
Quando chegamos à escola, não sabíamos o que estava por vir, como também não reconhecíamos a importância do curso, que é muito relevante para a formação das relações humanas, porque o professor é o grande agente do processo educacional, diz o Dr. Gabriel
Chalita, e ele prossegue: "A alma de qualquer instituição de ensino é o professor. Por mais que se invista na equipagem das escolas, em laboratórios, bibliotecas, anfiteatros, quadras esportivas, piscinas, campos de futebol - sem negar a importância de todo esse instrumental -, tudo isso não se configura mais do que aspectos materiais se comparados ao papel e à importância do professor."


Finalizando, agradecemos à Deus, à nossa família, à nós mesmas por toda compreensão e paciência em todos os momentos, à nossa professora Liliana Nogueira que sempre nos orientou nesta caminhada e, à todas da turma 311, que neste grande período, nos apoiaram e cooperaram de forma tão significativa.
Abraços!!!



Feuerstein e a construção mediada do conhecimento


Nasceu na Romênia, em 1921, e reside em Israel desde 1994. É professor de Psicologia, mundialmente renomado, e um especialista no campo cognitivo. Iniciou sua carreira na Educação dando aulas para crianças, cujos pais haviam sido exilados. Estudou Psicologia na Romênia e em Jerusalém. Exerceu a profissão de professor de crianças que vinham dos campos de concentração do holocausto judeu.
Estudou na Universidade de Genebra, sob a orientação de Jean Piaget, e compartilhava alguns pontos de sua teoria com os estudos de Vygotsky, do qual tem muita admiração. É considerado um dos educadores mais conceituados dos tempos atuais, carismático, e venerado por todo o mundo.
Segundo sua teoria, toda pessoa é capaz de aumentar seu potencial de inteligência, independente de problemas que possa ter ou da idade.
Feuerstein afirma que vale a pena trabalhar para modificar e transformar a vida. Em 1994, elaborou o Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI) e seu modelo de Psicodiagnóstico (LPAD). O PEI é um programa de formação cognitiva que tem em vista o incremento do potencial de aprendizagem. Com isso, Apesar de alguns avanços no enfoque da prática educativa do professor dessa área, hoje a ênfase do aluno com necessidades educacionais especiais está voltada para suas "deficiências" e não para suas eficiências. Conceituar e definir quem é o deficiente requer além de uma equipe profissional especializada, uma concepção de indivíduo em sua totalidade.
A teoria de Feuerstein oferece uma possibilidade interessante de novo olhar para a educação do aluno com necessidades educativas especiais:
...” todo indivíduo que apresenta retardo mental pode ter sua inteligência modificada - o retardo mental não é própria da estrutura cognitiva do indivíduo nem uma qualidade irreversível. Deve-se eliminar a condição de retardo, ou pelo menos diminuí-la, bem como diminuir as limitações que o retardo cria através de uma aprendizagem mediada. Essa postura modifica a educação: da educação do ‘retardo mental' para uma educação a normalidade” (p.268).
Com isso, devemos acreditar no potencial não-manifesto, na aprendizagem e no desenvolvimento do indivíduo pela interação sociocultural . Elaborando metodologias avaliativas mais eficientes, voltadas para as potencialidades e habilidades do aluno.Parece difícil a tarefa de considerar um deficiente mental, por exemplo, como um ser humano que é dotado de uma mente flexível, aberta a mundanças e com uma propensão natural para aprendizagem.A falta de mediadores intencionais que selecionem e organizem os significados culturais, provoca uma síndrome denominada por Feuerstein de provoca a "síndrome de privação cultural" (p.73). Esta e impede o desenvolvimento cognitivo e afetivo adequado e reduz o nível de modificabilidade e da flexibilidade mental. A palavra impede parece muito forte e determinante no que se refere ao desenvolvimento humano, mas o autor não nega que os "fatores distais" (genéticos, orgânicos, emocionais, etários e socioculturais) sejam significativos nos transtornos, o que ele nega é que estes fatores sejam irreversíveis e a "causa proximal" da falta de aprendizagem, que considera seja a falta de Experiência de Aprendizagem Mediada (EAM).
Em geral, ele prioriza o novo papel do professor de ensino especial e renova o seu compromisso em atuar nessa área. Dentre suas competências, o educador deve aprimorar seu conhecimento teórico que é fundamental para que exista uma "educação inclusiva". O que não faz sentido falar, já que a educação é para todos. Mas enquanto isso não acontece, devemos continuar resgatando os rumos da educação especial.

Até a próxima postagem!

Aline, Inglidy e Jenifer

video

terça-feira, 30 de setembro de 2008

O voto consciente


É muito comum ouvirmos que todos os políticos são iguais e que o voto é apenas uma obrigação. Muitas pessoas não conhecem o poder do voto e o significado que a política tem em suas vidas.
O voto é um direito de todos os seres humanos que vivem em regime democrático, esse consiste em escolher individualmente o candidato que assumirá a representação de toda a sociedade. Para determinar o candidato a ser votado, as pessoas precisam avaliar seus planos e projetos para melhorias na região. A conscientização da população para o voto justo e incorruptível é uma boa maneira de diminuir a quantidade de pessoas subornadas e compradas ilegalmente, além de policiamento nos locais de votação. Apesar do voto no Brasil ser obrigatório para todas as pessoas alfabetizadas com idade entre 18 e 70 anos, esse estará contribuindo para eleger uma pessoa de forma legal, já que a lei prevê que uma pessoa somente poderá assumir cargos governamentais se elegidos com maior número de votação. É importante que o voto seja realizado a partir da satisfação do eleitor no candidato e nas possibilidades de melhoria e não que o voto seja apenas uma troca de favores, quando o eleitor vota e ganha com isso dinheiro, cesta básica, brinquedos, asfalto e outras coisas.
No período de votação é necessário assistir o planejamento feito por cada candidato e ainda atentar para os debates feitos em emissoras de TV, pois tais debates revelam muito sobre cada candidato.
Em primeiro lugar temos que aceitar a idéia de que os políticos não são todos iguais. Existem políticos corruptos e incompetentes, porém muitos são dedicados e procuram fazer um bom trabalho no cargo que exercem. Mas como identificar um bom político?É importante acompanhar os noticiários, com atenção e critério, para saber o que nosso representante anda fazendo. Pode-se ligar ou enviar e-mails perguntando ou sugerindo idéias para o seu representante. Caso verifiquemos que aquele político ou governante fez um bom trabalho e não se envolveu em coisas erradas, vale a pena repetir o voto. A cobrança também é um direito que o eleitor tem dentro de um sistema democrático.


Aline Paes, Inglidy e Jenifer

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Funções da Avaliação Escolar Hoje

Qual é a função da avaliação na escola de hoje? Como atualizar seus significados consagrados e ampliar o repertório de suas possibilidades?
A função da avaliação não é apenas observar criticamente uma situação passada, mas, sobretudo, ajudar a interferir ativamente em uma situação em curso ou que está sendo planejada.
Para Lino de Macedo, é muito difícil avaliar: “Atribuir valores é uma tarefa muito complexa, pois assimilar seus observáveis, isto é, os aspectos que nos permitem inferir sua presença ou ausência, supõe uma formação teórica e prática que não pode ser dominada de imediato.”
Segundo Macedo, para avaliar um aluno seria necessária a utilização de “indicadores”, avaliando as crianças de forma indireta, isto é, através de seus atos em sala de aula e como contrapartida avaliam também a qualidade da aula aplicada pelos professores.
A utilização desses indicadores seriam uma alternativa pra substituir o sistema de avaliação atual, que se basea na utilização de notas, onde tudo o que o aluno produz no bimestre é convertido nelas. Esse sistema é conhecido como conceitual ou classificatório.
A avaliação da forma conceitual as subdivide em funções diversas, são elas: selecionar, diagnosticar, antecipar, orientar, regular e certificar.
*Selecionar – quando as escolas utilizam como forma de ingresso processos seletivos.
*Diagnosticar – checar e identificar através de sintomas, possíveis dificuldades dos alunos.
*Antecipar – procurar identificar de forma antecipada (planejar) as ações em favor daquilo que se quer transmitir aos alunos.
*Orientar – procurar apoiar ao aluno de forma constante durante as aulas.
*Regular – tem função de produzir um sistema de avaliação, onde o aluno seja acompanhado de forma constante.
*Certificar – é o momento final do processo de avaliação, onde o aluno recebe um certificado que atesta seu aprendizado e o qualifica pra uma etapa superior.
Portanto, o processo de avaliação não consiste apenas em “dar nota” aos alunos, e sim avaliar todo o sistema (escola, professor e aluno).
Aline, Inglidy e Jenifer

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Políticas Educacionais

As políticas Educacionais refletem o que pensamos e queremos da sociedade. Com isso, o professor tende a formar cidadãos críticos e conscientes, mas infelizmente não é bem isso que observamos na prática.
O que se observa, é uma boa parte do quadro de professores sem a consciência do que seja isso. Muitos estão a criticar aqueles que se propõe a discutir com seus alunos, em sala de aula, a respeito dos problemas sociais, políticos, etc. de nossa sociedade.
Para muita gente, e até, para alguns professores a aula é simplesmente aquilo que se resume ao conteúdo de cada disciplina. Quem ensina Português, Matemática, ou outra disciplina qualquer, detenha-se no seu conteúdo, de maneira cega, sem discutir nada referente aos temas de fora da sala de aula. Não se sabe o que essas pessoas entendem por cidadania, o que se observa é que tais pessoas são contra a se discutir política em sala de aula.
O papel da escola é tornar o aluno em agente transformador, promover a sua participação social, através de trabalhos e discussões em grupo para que assim ele possa criar uma reflexão crítica, voltada a contribuir para a formação da cidadania.
A escola e professor se identificam com a responsabilidade pela transformação da sociedade global, que passa por mudanças de valores, atitudes..., para isso, acredita-se na possibilidade orientar a prática com base na ação e na reflexão.
Aline P., Inglidy e Jenifer

quinta-feira, 17 de julho de 2008

MInha Experiêcia



Minha grande vontade nesses dois anos de caminhada era estagiar em uma escola pública, em que pudesse obter novas experiências e observar a realidade da educação pública.
Gostei muito quando Liliana Nogueira (coordenadora e professora pedagógica) falou que eu ia estagiar na escola Municipal Maria Lúcia.
Obtive muitas experiêcias, tanto profissional como pessoal. Aprendi a valorizar o que temos, como nossos pais, estudo, família. Também aprendi que em uma sala de aula há uma grande diversidade, em que cada um vive uma realidade e que o aluno é reflexo de sua estrutura familiar.
Duas outras estagiárias já tinham estagiado na mesma turma que eu iria dar estágio, o G3, sendo conhecida como a “pior turma da escola”, então logo percebi que será um grande desafio, porém será onde poderei aplicar tudo que aprendi nesses dois anos.
Chegando lá me deparei com uma realidade totalmente diferente do que estava acostumada, corredores barulhentos, alunos fora de sala, professores e alunos agitados.
No decorrer dos estágios minha relação com as crianças foi ficando cada vez melhor, eles já me chamavam pelo nome, ao ir embora me davam beijo e perguntavam se ia voltar.
A turma era bastante heterogênia, cada um com uma realidade diferente. A mesma sempre se mostrava agitada, então eu e a outra estagiária Larissa Azevedo sempre procuravamos atividades que os acalmassem, como contar histórias e depois deixá-los desenhar, na qual era o que adoravam, pois o desenho é uma forma de expressão da linguagem artística, de fundamental importância no desenvolvimento infantil. As crianças já nascem em um ambiente onde o desenho está presente no seu cotidiano, através das imagens de televisão, dos rótulos dos produtos, dos cartazes nas ruas, das revistas, etc. Através do desenho a criança desenvolve a auto-expressão e atua afetivamente com o mundo: opina, critica e sugere, usando cores, formas, tamanhos, símbolos e quanto mais oportunidades de desenhar e observar desenhos, maiores serão as situações de aprendizagem vivenciadas pela criança.
Também observei a grande importância do professor, em que o mesmo a todo o instante desempenha diversos papéis; de pai, filho, vizinho, esportista, torcedor, professor, aluno, entre outros. Apesar de ser sempre a mesma pessoa, em cada situação há uma característica, uma forma de ser que diferencia das demais. Embora haja algo de constante nas pessoas em diferentes situações, a forma de ser no papel de pai, não é a mesma quando se desempenha o papel de filho, e o mesmo ocorre com o papel de professor, que difere do papel de aluno ou, ainda, quando se assiste ao seu esporte favorito, e assim por diante.
A turma mostrava muitas dificuldades, que com grande esforço e dedicação conseguimos amenizar essas dificuldades, em que a maior delas é a falta de amor e carinho, em que viamos nitidamente em três alunos. Apesar dos muitos puxões de cabelos, tapas, cuspes que levei, sei que sempre dava meu carinho e dedicação a eles.
No final, senti uma grande tristeza em deixar a turma, pois elas me ensinaram muito e esta aprendizagem ficará registrada pelo resto da minha vida.

Jenifer Tejada

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Experiência na Escola Pública




Minha Experiência
No começo, achei que eu iria encontrar muitas dificuldades e, depois que escolhi, por vontade própria, estagiar na turma consagrada como a “pior da escola” percebi que era um desafio e, ao mesmo tempo, a hora de colocar em prática todos os conceitos e métodos aprendidos durante todos esses anos de aprendizagem.
Ao chegar na escola, vi um ambiente escolar totalmente diferente do que estava acostumada: professores inquietos, crianças agitadas, corredores barulhentos... Enfim, logo quando cheguei à sala, a turma estava muito agitada e a professora não estava presente. Logo vi que se tratava de uma turma muito especial.
No decorrer dos dias de estágios a intimidade com as crianças foi aumentando e as dificuldades foram se mostrando cada vez mais nítidas, principalmente de alguns alunos, cujo comportamento era bem diferente e agressivo das outras crianças.
A turma se mostrava bastante heterogênea, e eu junto à outra estagiária Aline, percebemos que era a hora de agir, pois aquela turma estava num momento bastante difícil.
Com isso, começamos a elaborar estratégias e métodos para conseguir reverter este quadro. As idéias foram muitas, mas a que, primeiramente, precisava de uma atitude rápida era em relação ao momento de aprendizagem e ao comportamento das crianças. Tomamos atitudes e conseguimos, com muito esforço e dificuldade, reverter este quadro.
Tenho certeza que esta foi uma experiência única e que eu pude, realmente, levar para o resto da minha vida. Sei que deixei marcas profundas naquelas crianças, mais especialmente nas que precisavam mais da minha atenção, como o aluno João Pedro, que no início não sabia escrever o nome e que, com muita paciência e dedicação, consegui ensiná-lo a escrever seu nome, do aluno Lucas que, mesmo com muitos puxões de cabelo e de tapas que levei, sei que ele não deixou de receber todo o carinho e atenção que ele pudesse ganhar de “uma estagiária”, como também de várias outras crianças que necessitaram da minha ajuda.
Sei também que a professora aprendeu muito comigo e com a outra estagiária, Aline, principalmente em como se relacionar com a turma, pois surpreendentemente, ela fez exatamente como nós fazíamos para pedir silêncio, ou seja, ela começou a cantar, e as crianças, rapidamente demonstraram um nível de compreensão bem maior de antes, quando ela gritava.
No final, deu uma certa tristeza em deixar a turma, mas percebi que a educação se dá através da conquista, da atenção e do carinho, e é esta a aprendizagem que levarei pro resto da minha vida.
Inglidy Lopes